Foreman + AWS

Mais um sobre Foreman e agora sobre como utilizá-lo com instâncias na AWS.

Vamos focar no Foreman em si e no mínimo necessário para sua instalação e integração com a AWS.

Continuar lendo “Foreman + AWS”

Ansible / Puppet

Ansible, CFEngine, Chef, Puppet, Rex, Salt… não dá mais para administrar sistemas sem uma ferramenta dessas hoje em dia. Aqui vamos falar sobre duas delas: Ansible e Puppet.

O objetivo é comparar brevemente as duas para ajudar quem está no momento de escolher uma delas e, pra quem já decidiu, fazer com que repense a decisão sejá lá qual delas tenha escolhido.

Essa apresentação foi feita no meetup DevOps Carioca, mas para o blog, achei melhor dividir em tres artigos, sendo:

1 – Puppet / Ansible – Exemplos

2 – Puppet / Ansible – Considerações

3 – Puppet / Ansible – Conclusão

 

 

Ansible / Puppet – Conclusão

Agora que vimos exemplos e considerações sobre similaridades e diferenças entre as duas ferramentas, vamos analisar e chegar à uma conclusão sobre qual delas usar de acordo com o cenário e o objetivo.

Continuar lendo “Ansible / Puppet – Conclusão”

Ansible / Puppet – Considerações

Pelo que vimos dos exemplos no post anterior, as ferramentas parecem similares. Porém, por funcionarem de formas completamente diferentes, você deve estar ciente das consequências das diferenças de arquitetura delas para saber qual se adequa melhor ao seu cenário.

Continuar lendo “Ansible / Puppet – Considerações”

Ansible / Puppet – Exemplos

Para começar, vamos mostrar alguns exemplos e ver como as duas ferramentas lidam com as coisas mais simples como facts, serviços, pacotes, arquivos e usuários.

Continuar lendo “Ansible / Puppet – Exemplos”

Idempotência no Ansible

Muito se argumenta sobre o Ansible ser ou não idempotente.

Minha opinião sobre isso vai um pouco além do “é” ou “não é”, mas mantenho um embasamento muito simples.

Continuar lendo “Idempotência no Ansible”

L-Series OS

Por volta de 2006 eu queria juntar alguns conceitos legais que havia aprendido com appliances proprietários e aplica-los à servidores Linux na consultoria que eu estava.

O L-Series OS foi uma distro baseada em Gentoo com características peculiares que vão desde sua fácil configuração e customização ao espelhamento de sistemas em mais de um HD interno.

É a única distro que tenho notícia que, por dentro dela mesma, você podia instalar/remover/configurar o que quisesse e gerar uma nova imagem .iso para ser instalada em outras maquinas ou até mesmo para recuperar um servidor.

Continuar lendo “L-Series OS”